BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS »

3 de ago de 2010

LOUCURAS


"Ninguém pode julgar. Cada um sabe a dimensão do próprio sofrimento, ou da ausência total de sentido em sua vida."

Louco é quem vive em seu mundo. Como os esquisofrênicos, os psicopatas, os maníacos.
Ou seja, pessoas que são diferentes das outras.

Você já deve ter ouvido falar de Einstein, dizendo que não havia tempo nem espaço, mas uma união dos dois.

Ou de Edmond Hillary, garantindo que um homem podia chegar ao topo do Everest.

Ou Colombo, insitindo que do outro lado do mar não estava um abismo e sim um continente.

Ou dos Beatles, que fizeram uma música diferente e se vestiram como pessoas totalmente fora de sua época.

Todas essas pessoas e milhares de outras também viviam no seu mundo.

Santos que garantiam falar com Jesus ou a Virgem Maria, viviam num mundo à parte???

Um poderoso feiticeiro, querendo destruir um reino, colocou uma poção mágica no poço, onde todos os seus habitantes bebiam.
Quem tomasse aquela água, ficaria louco.
Na manhã seguinte, a população inteira bebeu a água, e todos enlouqueceram, menos o Rei, que tinha um poço para si e sua família, onde o feiticieiro não conseguira entrar.
Preocupado, ele tentou controlar a população, baixando um série de medidas de segurança e saúde pública. Mas os policiais e inspetores haviam bebido a água envenenada, e acharam um absurdo as decisões do rei, resolvendo não respeitá-las de jeito nenhum.
Quando os habitantes daquele reino tomaram conhecimento dos decretos ficaram convencidos de que o soberano enlouquecera, e agora estava escrevendo coisas sem sentido.
Aos gritos, foram até o castelo e exigiram que renunciasse.
Desesperado, o rei prontificou-se a deixar o trono, mas a rainha o impediu, dizendo: Vamos agora até a fonte, e beberemos também. Assim, ficaremos iguais a eles.
E assim foi feito: O rei e a rainha beberam a água da loucura, e começaram imediatamente a dizer coisas sem sentido.
Na mesma hora, os seus súditos se arrependeram, agora que o rei estava mostrando tanta sabedoria, por que não deixá-los governando o pais?
O país continou em calma, embora seus habitantes se comportasse de maneira muito diferente de seus vizinhos.
E o rei pôde governar até o final dos seus dias.

"Quero continuar louca, vivendo minha vida da maneira que sonho e não da maneira que os outros desejam".

"Nunca tive depressão, nem grandes alegrias, ou tristezas que durassem muito. Meus problemas são iguais aos de todo mundo."

Sabe o que existe lá fora?
Pessoas que beberam água do mesmo poço.
Acham que são normais, porque todos fazem a mesma coisa.
Vou fingir que também bebi daquela água.

Tudo parecia envolto, numa aura de silêncio opressivo; parecia que ninguém desejava repartir seu mundo interior com estranhos.

Aqui dentro,todos podem dizer o que pensa, fazer o que deseja sem ouvir qualquer tipo de crítica, afinal de contas, estão em um hospício.

Os loucos sempre acreditam na primeira impressão.
Onde as pessoas não sentem vergonha de confessar-se loucas.
Onde ninguém interrompia o que gostava só para ser simpatico com os outros.

Imagine um lugar, onde as pessoas se fingem de loucas, para fazer exatamente o que querem???

Mesmo que lhe dessem a possibilidade de viver todas as loucuras que tinha vontade, não saberia o que fazer.
Nunca tivera nenhuma loucura.
Aprendera desde cedo que era preciso manter o ar frio, distante, sempre que uma nova situação se apresentassse.

Talvez estivesse se transformando numa mulher frágil, incapaz de reagir por si mesma, já enfrentara situações piores e pela primeira vez, não conseguia controlar o choro!
Precisava voltar a ser quem era, saber reagir com ironia, fingir que as ofensas nunca a atingira, pois era superior a todos.

Não é possível. Eu nunca fui assim. Nunca lutei por bobagens.
E onde gastara toda sua energia, até o momento???

A realidade, porém é que estava gastando muito tempo, para lutar por espaço num ambiente estranho, onde era preciso resistir, ou os outros impunham suas regras.

Extraido frases do livro: Verônica decide morrer - Paulo Coelho

0 comentários: