BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS »

21 de jun de 2009

A navalha do amor...


Pego minha navalha! Retalho meu universo de sofrimento! É preciso.
Poderá o sangue jorrar e cortar a carne desse teu poder! Ah! Jamais.
Recorto pensamentos! Separo teu olhar do meu! É um tempo decisivo.
Eu te digo que você ficou na minha realidade! E eu não te encontro mais.

Olha nos meus olhos! Sou tua cigana! Vem! Vem me fazer feliz assim.
Faz-me meu amor! Quero te sentir como ninguém mais ousou a fazer.
Lembra dos meus beijos! Aqueles que ainda não beijou! Lembra de mim.
Vem pela tarde e só volte ao amanhecer! Mas venha para me aquecer.

Quero te ver perto daqui! Nunca é tarde! Mas lembre-se! Não se atrase.
Desejo-te de corpo e alma! Essa nossa distância tem que haver uma solução.
Apenas olhe para mim! Queira-me somente pelo menos uma vez! Extravase.
É verdade que te quero! Esse amor tem hemisfério! Beijos e emoção.

Tudo transparente o que sinto! Eu te ensino a não sofrer lentamente.
Nossa cama está vazia! Ilumina-me e ascende em nós esse amor vazio.
Reaviva-me em sentimentos! Permita-me pelo vento! Ressuscita-me somente.
Esse meu fogo que queima está se acabando! Deleite nesse meu corpo macio.

Sua imagem é meu holograma! Abri minha porta para aconchegar sua solidão.
Entreabre seus sentidos! Ignore sua verdade! Desenha-me em sua aquarela.
Mas espera! Nada nesse mundo tirará meu amor de dentro desse meu coração.
Nada em vão! Nada vai ser em vão! A estrada! Ela será minha primavera.

De navalha em punho eu me redimo! Vou te olhar! Seu perfume me atrai.
Suas palavras me bastam, somente para eu poder te amar! Desvio sensações.
Equilibro teu poder com meu amor! Equilibro tua razão! Isso me distrai.
A noite veio para invadir minha solidão! Não o encontro mais! Nem nas canções.

Preciso que venha! Nesse tempo que nunca vem! O que quero de você é pouco.
Mas o amanhã virá sem que tenha tocado meu universo! Infiltra-me em tua mente.
Seja meu amor agora! Seja tudo que eu quiser! Seja meu desejo louco e rouco.
Suga-me pelos prazeres da carne que a navalha corta! Retalha-me profundamente.

Soraia

0 comentários: