BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS »

14 de mai de 2009

Já parou pra pensar o que faz duas pessoas andarem de mãos dadas?

Geralmente, quando ando pela rua ou estou sendo passageira, observo as pessoas. A maioria andando sozinha, apressada, ou acompanhando amigos, colegas de trabalho, conhecidos. Em nosso país, apenas casais e pais/mães/filhos andam de mãos dadas.
Parei pra pensar nos casais: namorados, casados ou simplesmente apaixonados. Alguns, mais do que se darem as mãos, se abraçam. É meio difícil andar pela rua abraçado, ainda mais numa calçada apertada ou muito movimentada. Mas eles não se desgrudam.
Parei pra pensar que a gente busca tanto alguém para amar, para se preocupar conosco, pra dividir com a gente nossos sorrisos e aflições. Depois que a gente encontra alguém, é aflitivo pensar que podemos perder essa pessoa novamente no meio da multidão da qual a resgatamos. Por isso, talvez, as mãos unidas, os corpos colados num abraço apertado. “Não quero te perder”, “quero me certificar que você está ao meu lado”.
Naquele momento do aperto da mão, é um sentimento de segurança e carinho que nos dá o prazer daquela companhia rara, que encontramos e que não queremos perder de vista. Mas temos que pensar que, muitas vezes, pra aquela mão estar ali, é preciso saber largá-la.
Lembrei de uma propaganda de uma companhia de telefonia celular que dizia “Você nunca está sozinho”. Na hora pensei, “Que horror! E quando eu quiser ficar sozinha?”. Todos precisamos de um espaço, de um momento sozinhos. Temos que aprender todos os dias a gostar de nossa própria companhia, de ouvirmos os nossos sons, de percebemos as nossas sensações. Esse aprendizado vai servir pra perceber melhor a mão do outro, o corpo do outro, a vontade do outro.
A ausência daquela mão a torna mais especial. A ausência dela, em algumas culturas, inclusive na nossa, a transformou em anel. Quando ela não nos segura, o anel simboliza que há outra mão, em outro lugar, usando o mesmo símbolo de ausência e de compromisso: o compromisso de estar ali quando precisarmos e quisermos.
Não podemos colocar nessa mão, por vezes presente, por vezes ausente, nossa felicidade. Temos que fazer nossa própria felicidade para dividi-la com alguém que merece, que também irá dividir a felicidade dele/dela conosco. Como fazemos isso? Nossa felicidade vem de sermos equilibrados, de vivermos uma vida sem contradições, de valorizarmos os momentos e as pessoas do jeito que chegam até nós.
“Felicidade acontece quando o que você faz e o que você fala estão em harmonia”, disse Gandhi. Isso é viver sem contradição. Se você não come carne porque tem dó dos animais, não compre o sapato e a bolsa de couro tããããooo lindos que você viu. Isso é uma contradição. Se você acha que uma pessoa famosa se vestiu mal ou está usando uma maquiagem inapropriada, não precisa ir alardeando para os quatro ventos como ela é cafona, ou isso, ou aquilo. Faça seu comentário, dê sua opinião (sou a favor da opinião e não da fofoca) e ponto final. Pessoas interessantes falam de idéias, pessoas vazias falam de pessoas. Quando não der pra elogiar, tente simplesmente ignorar. E quando der pra elogiar, seja generoso.
Então, que tal dar a mão para aquela pessoa querida que você não quer perder? A vida, muitas vezes, carrega para longe pessoas muito próximas: irmãos, pais, tios, primos… Não podemos procurá-los só no final do ano, quando a maioria passa por aquela fase mais sentimentalista e materialista. Relacionamentos se constróem todos os dias e isso inclui interessar-se pela vida, pelos assuntos e pelos problemas de alguém que você considere que vale a pena amar. Na maioria das vezes, vale mesmo.
Já disse que adoro as coisas que não servem pra nada. Dar a mão, a não ser que você seja uma criança atravessando a rua, só serve pra você demonstrar que você está ali. É óbvio, é redundante, não serve pra nada… mas é tão bom!

0 comentários: