BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS »

30 de nov de 2009

...


A maior felicidade é quando a pessoa sabe porque é que é infeliz.

Fiodor Dostoievski

Palavras do sábio Henfil


Por muito tempo, eu pensei que a minha vida fosse se tornar uma vida de verdade.
Mas sempre havia um obstáculo no caminho, algo a ser ultrapassado antes de começar a viver, um trabalho não terminado, uma conta a ser paga. aí sim, a vida de verdade começaria.

Por fim, cheguei à conclusão de que esses obstáculos eram a minha vida de verdade.
Essa perspectiva tem me ajudado a ver que não existe um caminho para a felicidade.
A felicidade é o caminho! Assim, aproveite todos os momentos que você tem.
E aproveite-os mais se você tem alguém especial para compartilhar, especial o suficiente para passar seu tempo; e lembre-se que o tempo não espera ninguém.
Portanto, pare de esperar até que você termine a faculdade; até que você volte para a faculdade; até que você perca 5 kg; até que você ganhe 5 kg; até que seus filhos tenham saído de casa; até que você se case; até que você se divorcie; até sexta à noite até segunda de manhã; até que você tenha comprado um carro ou uma casa nova; até que seu carro ou sua casa tenham sido pagos; até o próximo verão, outono, inverno; até que você esteja aposentado; até que a sua música toque; até que você tenha terminado seu drink; até que você esteja sóbrio de novo; até que você morra; e decida que não há hora melhor para ser feliz do que agora mesmo...
Lembre-se: felicidade é uma viagem, não um destino.


Henfil

Intuição


Nada me incomoda, agora estou assim...
Serene, em total calmaria.
Fiz o que pedias
deixei-te morrer.
Apaguei o fogo,
a luz o prazer....
Apaguei os sonhos,
deixei-me vencer,
afinal, apenas queria viver!
Nunca houve enganos,
somente prazer.
Apaguei a intuição
que aflorava a minha mente
para viver a ilusão que eras somente
fiquei assim serena e vazia,
apagada como tu tanto me pedias...

MENINA OU MULHER

Tão carregado e enfraquecido
quebrou-se o meu coração
tentei cola-lo para não se perder,
Mas não consegui e deixei-o morrer.
Menina, sozinha, tanto eu chorei,
Mas veio a mulher, de repende e dis!
Não quero que chores, tu vais ser feliz!
Arregaço as mangas, levanto a cabeça.
Caminho direita,como ela me manda.
Prometo à Luz não me deixar derrubar.
Não quero ser menina,
triste envergonhada,
que só chora, sofre e se sente culpada.
Agora mulher, sem culpa sem medos
com a mente limpa e sem pesadelos.
Só amei e quis ser amada
só dei o que tinha à pessoa errada,
Se não acreditas olha e vê os meus olhos
são puros e profundos não há que enganar,
e foi somente isso que eu te quis dar,
um colo amigo, para poderes descançar.

HOJE É TEMPO DE SER FELIZ


A vida é fruto da decisão de cada momento. Talvez seja por isso, que a idéia de plantio seja tão reveladora sobre a arte de viver.
Viver é plantar. É atitude de constante semeadura, de deixar cair na terra de nossa existencia as mais diversas formas de sementes.
Cada escolha, por menor que seja, é uma forma de semente que lançamos sobre o canteiro que somos. Um dia, tudo o que agora silenciosamente plantamos, ou deixamos plantar em nós,será plantação que poderá ser vista de longe...
Para cada dia, o seu empenho. A sabedoria bíblica nos confirma isso, quando nos diz que "debaixo do céu há um tempo para cada coisa!"
Hoje, neste tempo que é seu, o futuro está sendo plantado. As escolhas que você procura, os amigos que você cultiva, as leituras que você faz, os valores que você abraça, os amores que você ama, tudo será determinante para a colheita futura.
Felicidade talvez seja isso: alegria de recolher da terra que somos, frutos que sejam agradáveis aos olhos!
Infelicidade, talvez seja o contrário.
O que não podemos perder de vista é que a vida não é real fora do cultivo. Sempre é tempo de lançar sementes... Sempre é tempo de recolher frutos. Tudo ao mesmo tempo. Sementes de ontem, frutos de hoje, Sementes de hoje, frutos de amanhã!
Por isso, não perca de vista o que você anda escolhendo para deixar cair na sua terra. Cuidado com os semeadores que não lhe amam. Eles têm o poder de estragar o resultado de muitas coisas.
Cuidado com os semeadores que você não conhece. Há muita maldade escondida em sorrisos sedutores...
Cuidado com aqueles que deixam cair qualquer coisa sobre você, afinal, você merece muito mais que qualquer coisa.
Cuidado com os amores passageiros... eles costumam deixar marcas dolorosas que não passam...
Cuidado com os invasores do seu corpo... eles não costumam voltar para ajudar a consertar a desordem...
Cuidado com os olhares de quem não sabe lhe amar... eles costumam lhe fazer esquecer que você vale à pena...
Cuidado com as palavras mentirosas que esparramam por aí... elas costumam estragar o nosso referencial da verdade...
Cuidado com as vozes que insistem em lhe recordar os seus defeitos... elas costumam prejudicar a sua visão sobre si mesmo.
Não tenha medo de se olhar no espelho. É nessa cara safada que você tem, que Deus resolveu expressar mais uma vez, o amor que Ele tem pelo mundo.
Não desanime de você, ainda que a colheita de hoje não seja muito feliz.
Não coloque um ponto final nas suas esperanças. Ainda há muito o que fazer, ainda há muito o que plantar, e o que amar nessa vida.
Ao invés de ficar parado no que você fez de errado, olhe para frente, e veja o que ainda pode ser feito...
A vida ainda não terminou. E já dizia o poeta "que os sonhos não envelhecem..."
Vai em frente. Sorriso no rosto e firmeza nas decisões.
Deus resolveu reformar o mundo, e escolheu o seu coração para iniciar a reforma.
Isso prova que Ele ainda acredita em você. E se Ele ainda acredita, quem sou eu pra duvidar... (?)

Padre Fábio de Melo

Já não te conheço

m%c3%a1scaras Pictures, Images and Photos
Quantas máscaras tens?
Quantas usas?
Imposição cénica?

Sobrevivência?
Ou apenas obrigação
por viver numa sociedade
que não promove a
beleza da diversidade?
Eu amo a pureza inata,
a essência do teu ser
aquilo que te torna único
e que me dá tanta vontade de te saber
Não, não gosto de máscaras!

Contagem Regressiva


Estamos sempre contando. Dinheiro, tempo ou vida. Seja para fazer contas, compras ou aniversários.

Embora eu me relacione melhor com as palavras do que com os números, eles não me causam mais tantas dores de cabeça desde a época do colegial. Não porque deixaram de ser importantes, mas porque sou eu quem decido como usá-los desde então, e fórmulas matemáticas, definitivamente, não são o meu forte. Além do mais, não preciso mais usar a calculadora escondida…

Eu conto quantas moedas faltam para inteirar o valor da passagem do ônibus; as quantidade de compras que fiz com o cartão de crédito pra não levar um susto no mês seguinte; a quantidade de anos de vida que eu tenho; a quantidade de tempo que não vou a um lugar especial ou que não vejo uma pessoa querida. Esse último me ajuda a tornar urgente as coisas que são verdadeiramente essenciais.

Mas, contar o tempo que ainda falta me parece enlouquecedor. Contagens regressivas me dão a sensação de que estou tornando o tempo mais lento e arrastando as horas. Me sinto como um presidiário riscando um dia a menos na parede da cela, com aquele peso enorme preso à uma das pernas. O peso é nada mais, nada menos que ela: a ansiedade. Sempre ela.

Por isso eu não conto, não conto os dias que faltam para chegar a primavera, as horas que faltam para um dia ruim terminar, os minutos que duram uma música boa, ou uma dança. Muito menos quanto tempo ainda falta para eu te beijar outra vez. Deixo que venha e me beije, ou que se deixe ser beijado por mim.

Só arrumo as malas pouco antes de viajar, e, é claro que esqueço um bocado de coisas em casa, mas não levo mais ansiedades e expectativas na bagagem. Elas sempre ocupam um espaço valioso, que poderia ser ocupado por aquela calça jeans bacana…

Deixo a porta sempre aberta, e espero – sem esperar – a felicidade chegar de sopetão. A alegria inundar a sala com o sol da manhã, a brisa suave do amor acariciar minha face e o vento da paixão despentear completamente o meu cabelo.

As alegrias são como o sol, as brisas, as chuvas e os ventos. Simplesmente não marcam data para chegar, então, pra quê contar o tempo?

Roberta Simoni

NÃO VOU PERDER TEMPO


Não vou perder tempo,
não posso perder tempo
analisando o tempo que perdi,
o que passou, passou.
Não vou perder tempo,
com o que não interessa,
não vou lamentar ou discutir
o que não tem solução.
Não vou continuar
a perder tempo,
com a ausência e a falta.
O que passou, passou.
Não vou perder tempo
deixando de viver
o interessante e o essencial.
Não vou perder
a oportunidade de ver
a minha vida mudar.
Vou sim, aproveitar
todo o tempo,
para recuperar
o tempo perdido.
Vou sorrir para a vida
fazer-me bonita,
e saborear tudo
o que deixei de viver.
Vou saber receber,
ter imenso prazer,
sorrir e cantar
a alma despertar.
Vou sentir com amor
todos os momentos
bons que tens para me dar
e vou Aproveitar!

Definitivo


Definitivo, como tudo o que é simples.
Nossa dor não advém das coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.
Sofremos por quê? Porque automaticamente esquecemos o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter tido junto e não tivemos, por todos os shows e livros e silêncios que gostaríamos de ter compartilhado,
e não compartilhamos.
Por todos os beijos cancelados, pela eternidade.

Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um amigo, para nadar, para namorar.

Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco, mas por todos os momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela nossas mais profundas angústias se ela estivesse interessada em nos compreender.

Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada.

Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está sendo confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam, todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar.

Por que sofremos tanto por amor?
O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez companhia por um tempo razoável,um tempo feliz.

Como aliviar a dor do que não foi vivido? A resposta é simples como um verso:

Se iludindo menos e vivendo mais!!!
A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento,perdemos também a felicidade.

A dor é inevitável.
O sofrimento é opcional...

Carlos Drumond de Andrade

20 de nov de 2009

Ajuda-me Senhor!


Ajuda-me...por favor!

Deus sabe...


Quando você está cansado e desencorajado por esforços que não deram frutos, Deus sabe o quanto você tentou... Quando você chorou por longo tempo com o coração cheio de angústia, Ele contou suas lágrimas. Se você sente que sua vida está perdido e que muito tempo também se perdeu... Ele está confortando você!!! Quando você está solitário e seus amigos estão muito ocupados para um simples telefonema, Ele acompanha você... Quando você sente que já tentou de tudo e não sabe por onde recomeçar, Ele tem a solução... Quando nada mais faz sentido e você se sente frustrado e deprimido, Ele tenta lhe mostrar respostas... Se de repente tudo lhe parece mais brilhante e você percebe uma luz de esperança... Nesse momento Ele soprou nos seus ouvidos. Quando as coisas vão bem e você tem muito para agradecer, Ele está festejando com você... Quando algo lhe traz muita alegria e você se sente refortalecido Ele está sorrindo para você... Quando você tem um propósito a cumprir e um sonho para seguir Ele abre seus olhos e o chama pelo nome... Lembre-se que onde você estiver seja na tristeza ou na felicidade, mesmo que ninguém mais saiba, Deus sabe.

Agenda da Felicidade...

Desabafo...


Hoje eu tô assim...meio down...mas vai passar...
Vai passar...

Linda mensagem!

Putz que pariu!


Preciso fazer meditação...

Sei não...

DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA



O Dia da Consciência Negra é celebrado em 20 de Novembro no Brasil e é dedicado à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira. O dia é celebrado desde a década de 1960, e coincide com o dia da morte de Zumbi dos Palmares que ocorreu em 1695. O dia tem significado especial para os negros brasileiros que reverenciam Zumbi como o herói que lutou pela liberdade. Além de ser um dos nomes mais importantes da Capoeira, é reverenciado pela população brasileira por ser um símbolo de resistência do negro à escravidão.
Na semana do dia 20 de novembro, inúmeros temas são abordados pela comunidade negra e os que ganham evidência são: inserção do negro no mercado de trabalho, cotas universitárias, se há discriminação por parte da polícia, identificação de etnias, moda e beleza negra, etc. Algumas entidades organizam palestras e eventos educativos em que se procura evitar o desenvolvimento do auto-preconceito, ou seja, da inferiorização perante a sociedade.
A marginalização dos negros ocorre dentro de um contexto histórico, processo de abolição da escravidão e formação econômica moderna, em que a estrutura de classes da sociedade está se constituindo tendo como conseqüência o posicionamento desfavorável dos negros, devido a forma de inserção desigual na estrutura de classes, no que se refere à renda, escolaridade e ocupação.
Nesse sentido, uma das características marcantes do mercado de trabalho brasileiro até hoje é a desigualdade de oportunidades entre os grupos raciais. As estatísticas revelam um quadro assustador sobre a maneira de como brancos e negros estão distribuídos na estrutura ocupacional. Dados estatísticos do IBGE mostram que o rendimento médio da população branca no Brasil é de R$ 812; e a dos negros é de R$ 409.
Estas desigualdades presentes no mercado de trabalho, estão presentes, também na educação. Pesquisa revela a baixa freqüência dos negros nas universidades brasileiras. Enquanto 80% dos universitários são brancos, somente 2,2% são negros. Juridicamente discute-se a constitucionalidade da política de quotas para negros nas universidades a partir do dispositivo do princípio da igualdade do artigo 5º da Constituição Federal de 1988. Apesar de muitos defenderem essa política como forma de assegurar ao negro a sua participação na sociedade, muitos estudiosos vêem nessa política o aumento da discriminação entre brancos e negros.
São essas práticas discriminatórias presentes no cotidiano que indicam a permanência do racismo. A sociedade brasileira preserva profundas desigualdades raciais, de rendimentos, educacionais e ocupacionais.
O Dia da Consciência Negra, portanto, deve ser comemorado como uma data para se lembrar da resistência do negro à escravidão em contraposição ao 13 de maio quando foi decretada a abolição da escravatura pela princesa Isabel. É a celebração da generosidade de uma branca em relação aos negros. Neste dia, os negros exaltam a sua origem africana e exaltam a sua luta pela liberdade de informação, religião e cultural. Buscam maior participação e cidadania para os afro-brasileiros associando-se a outros grupos para dizer não ao racismo, à discriminação e ao preconceito racial.
Espera-se este 20 de Novembro, assim como todos os outros, seja de muita festividade, alegria e renove as energias para continuar a trajetória para a conquista de direitos e igualdade de oportunidades. Estejamos todos engajados nesta caminhada pela liberdade e pela consciência da riqueza da diversidade racial.
A marginalização dos negros ocorre dentro de um contexto histórico, processo de abolição da escravidão e formação econômica moderna, onde a estrutura de classes da sociedade nacional está se constituindo e como consequência teremos o posicionamento desfavorável dos negros, devido a forma de inserção desigual na estrutura de classes, no que se refere a renda, escolaridade e ocupação.
Em outros termos, poderíamos dizer que o Estado a partir da segunda metade do século XIX, pós-1850, e, principalmente, início do século XX, até meados dos anos 40, foi o veículo primordial da formação de um mercado de trabalho fundado na exclusão dos negros e descendentes. Esse mercado de trabalho, estruturado de cima para baixo pelo poder estatal, privilegiava os indivíduos brancos e dificultava o acesso de outros grupos raciais tendo em vista a crença, então em voga por aqui, a respeito da superioridade dos brancos. Essa ideologia racial irá, evidentemente, dificultar a inserção dos negros no nascente mercado de trabalho tendo em vista sua suposta inferioridade e a discriminação racial será, então, uma das marcas visíveis que o negro encontrará na busca por trabalho.






15 de nov de 2009

SEM NET...

GENTE DESCULPA A DEMORA...MAS ESTOU SEM NET DESDE QUE ME MUDEI...VAI DEMORAR UM POUCO PRA ME RE-ORGANIZAR OUTRA VEZ...
UM BEIJO PRA VOCÊS MEUS AMIGOS!

13 de nov de 2009

2012 - O FILME


Séculos atrás, a civilização Maia deixou em seu calendário uma data final em um dia determinado para o fim do mundo.

Desde então, astrólogos o discutem, numerólogos encontraram padrões que o preveem, geólogos dizem que Terra se encaminha para isso e nem os cientistas do governo podem negar que um cataclismo planetário de proporções épicas se anuncia para "2012".

A profecia já se encontra hoje bem documentada, debatida, destrinchada e analisada. E em 2012, o mundo saberá.

O filme foi alvo de uma "guerra de lances" de distribuidoras, que culminou com a vitória da Sony, apostando no orçamento da superprodução em US$ 200 milhões.

O diretor Roland Emmerich já é especialista no “gêneno apocalíptico”, com filmes como “Independence Day” e “O Dia Depois de Amanhã”.

Ficha do Filme

Diretor: Roland Emmerich
Elenco: John Cusack, Chiwetel Ejiofor, Danny Glover, Thandie Newton, Oliver Platt, Amanda Peet, Tom McCarthy, Chin Han, Woody Harrelson.
Duração: 158 min.
Ano: 2008
País: EUA
Gênero: Ação
Classificação: 12 anos